3 de março de 2015

A PONTE É UMA PASSAGEM...


... já cantavam os Jafumega (lembram-se?). Pois esta ponte é a de D. Luiz (com Z, segundo a ortografia da placa original, ainda patente) e é uma "passagem para a outra margem"... de Gaia. Voltei à Ribeira, portanto, mas desta vez para a minha primeira aguarela de rio, com reflexos e suaves ondulações da brisa à superfície da água. E, de bónus, um barco rabelo: genuíno, com os seus pipos e o seu altivo mastro!



Primeiras pinceladas: o céu de inverno, que estava limpo e luminoso, e a encosta da serra do Pilar. Optei por sintetizar, "pontilhando", aqui e ali, algumas sugestões de cor. Depois, a marginal do lado da Ribeira e os reflexos do barco:



Fui tentando dar mais densidade à aguarela, escurecendo as sombras e a linha da água lá ao fundo. Passei finalmente à complexa estrutura de ferro da ponte, bastante aldrabada, que é afinal de um belo tom de azul, e não cinzenta (como eu sempre pensara):



Por fim, adicionei uns tons verdáceos ali à esquerda, sobre as pedras junto à agua, com musgos e limos, e dei a aguarela por terminada:


É verdade o prazer que dizem advir de pintar a água... Vou tentar mais vezes.

8 comentários:

  1. Fabuloso!!
    Como consegues?! Tens arte no sangue...
    Bjinhos.

    ResponderEliminar
  2. Excelente. Gosto muito dos reflexos na àgua.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico muito feliz que aproves, Henrique. Foi a minha primeira tentativa!

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Oh, Paula, obrigada! E como vão os teus desenhos?

      Eliminar
  4. Te felicito por tu bautismo de pintar el agua. El agua es difícil porque está en movimiento y hay que darle "vida". En tu primer intento, lo conseguiste... y bien!.
    Me gusta conocer tus pensamientos mientras dibujas y pintas.
    Un saludo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Joshemari! Tenho apreciado muito as suas pinturas de barcos e de marinas. Adoro!

      Eliminar