24 de julho de 2019

AUTO-RETRATO COM CHAPÉU


Em resposta ao primeiro desafio do grupo "Self Portrait Sundays" (Draw yourself with a hat), um retrato com chapéu. De palha, pois então, que o Verão está aí e o sol não perdoa. Caneta e aguarela por cima, com esboço a lápis por baixo. Se casas e paisagens eu arrisco fazer logo a tinta, retratos não. E, mesmo com esta ajuda, a coisa nem sempre sai a contento. Desta vez, enfim, digamos, que fiquei com uma boca esquisita q.b. Quase podíamos dizer que fiquei com um "stiff upper lip", uma expressão inglesa que significa, mais ou menos, ser inexpressivo e não mostrar emoções. Nada mais longe da realidade, eh eh, mas enfim, aqui fica a imagem:


22 de julho de 2019

AUTO-RETRATO A PRETO-E-BRANCO


Mais um auto-retrato, e mais uma vez a tinta, apenas. Estou a adorar esta prática de "hatching", que tão bem permite fazer os contrastes e marcar os valores. Fiquei com os olhos bastante estranhos, mas gosto da posição da mão a segurar a cara:

18 de julho de 2019

NO TERREIRO DO PAÇO


Tenho pouquíssimos desenhos de Lisboa, pois quando vou é sempre a correr. E, como me parece sempre que hei-de voltar dali a pouco com mais tempo, tendo a adiar. Desta vez, porém, fui ao coração da Baixa de propósito para desenhar a praça pombalina por excelência. Banhada de luz, pejada de turistas, com aquele amarelo forte dos edifícios paralelos ao curso do rio, estava linda, imponente, airosa como uma garça com o pé na água. E ficou assim no meu caderno:



De todos os desenhos que tenho feito ao longo destes quase cinco anos de "urban sketching", devo confessar que este é dos que mais gosto. Sentada nos degraus da estátua, no centro da praça, a versão a preto-e-branco do arco da Rua Augusta saiu-me com fluidez.


Ouviam-se gaivotas e mil línguas em redor, enquanto a brisa do Tejo afagava as pedras brancas.


14 de julho de 2019

SENHOR DA PEDRA


Fomos a Miramar, a sul do Porto, em excursão de desenho, para o Encontro POSK 64. E, depois de um inesquecível almoço, todos deitámos mãos à obra em pleno areal, junto às ondas. O meu desenho da Capela do Senhor da Pedra, com cor aplicada chez moi, ficou assim:


O escaldão no braço esquerdo e no pescoço do mesmo lado foram brinde do Senhor padroeiro, que não se compadeceu dos meus esforços:


Aqui, todos a postos para começar (moi = segunda à esquerda):


12 de julho de 2019

MAIS AVEIRO


De tarde, do mesmo lado do canal, mas mais para dentro, uma vista bem mais moderna e industrial. Sem torcicolo desta vez, mas com alguns pontapés na realidade. 😄 



Foi o meu segundo desenho no 48º Encontro USkPN / RAW, já depois do lauto almoço no "Centenário". Eis o desenho no local:


9 de julho de 2019

POR AVEIRO


Este sábado, dia 6 de julho, desci até à "Veneza portuguesa". Foi no 48º Encontro dos Urban Sketchers Portugal Norte (USkPN), organizado em conjunto com o RAW (Ria de Aveiro Weekend). Finalmente pude desenhar esta cidade linda e desafogada, cheia de passeios à beira da água. Como não podia deixar de ser, quis captar exemplares arquitectónicos de Arte Nova, pelo que me sentei junto ao canal, de frente para um belo conjunto de fachadas. Por sorte, no ancoradouro atracaram dois barcos moliceiros, dos muitos agora adaptados a passear turistas. Que bom que entraram no meu desenho!



Já os edifícios, enfim, parece que sofreram os efeitos de um torcicolo meu, pelo menos a julgar pela inclinação das fachadas:


8 de julho de 2019

RETRATO DE CORPO INTEIRO


Mais uma incursão minha pelo auto-retrato, este já com um mês, publicado originalmente no grupo "Self-Portrait Sundays". Desta vez, arrisquei um plano à distância, com o corpo inteiro dentro de uma folha A4, olhando-me ao espelho. Gostei desta imagem de mim, descalça, encostada ao armário, desenhando de pé: