26 de julho de 2017

IDADES


Mais um da série "pessoas que se afastam". Desta vez, aconteceu desenhar o que parecem ser estádios etários bem distintos: a infância, a adolescência, a idade adulta e a terceira idade. É curioso ver-se a diversidade das indumentárias, aqui enriquecida por um pozinho de especiarias da Índia:




19 de julho de 2017

UM HOMEM E TRÊS MULHERES


Não, não é poligamia. É apenas a combinatória inversa do "post" anterior, feita igualmente ao acaso e com a mesma temática: figuras aleatórias a caminhar pela rua, vistas de costas. Também aqui se misturam as estações, mas desta vez igualmente as mãos: há um casal que caminha de dedos enlaçados. Já as senhoras protegem as mãos do frio metendo-as nos bolsos.


17 de julho de 2017

VERÃO VS. INVERNO


Cá continuo, toda divertida, com os meus estudos de pessoas em movimento. Desta vez, uma indumentária de Verão, feminina, lado a lado com três espécimes invernosos, masculinos. Só o cão é uni-estação – e de sexo indefinido. Deixemo-lo assim, qual ser angélico a vogar por esferas livres, sem normas nem atavios. (Mesmo nessa dimensão, fazia-lhe bem uma dieta.)




13 de julho de 2017

GENTE QUE PASSA


Dois estudos sobre a figura humana:



Poucas coisas me dão mais prazer do que desenhar pessoas. Estas, cheias de Verão e tranquilidade, sabem-me já a férias...

10 de julho de 2017

DIRECTAMENTE DA TATE MODERN PARA MINHA CASA


Vejam a tela que tenho ali na entrada:


Sabem de quem é? Sim, é de um artista de renome internacional, que me deixou endividada até ao fim dos meus dias. Antes de aceitar apostas, avanço com a revelação da autoria, dando provas gráficas e circunstanciais abaixo:

29 de junho de 2017

SHEFFIELD TOWN HALL


O que desenhei não foi bem a Câmara Municipal – um edifício neo-gótico da época vitoriana – mas as traseiras, com a torre sineira e a praça adjacente:



Sentada literalmente no chão, no vão de uma loja, não tardou que começasse a ser abordada por outras criaturas errantes: "Very nice, love!", iam-me dizendo os sem-abrigo.


Um casal de motards, cheios de tatuagens e piercings, veio perguntar-me se sabia onde era o pub "The Red Deer". Pensavam que eu era dali (às tantas julgaram que era o meu begging spot habitual)! O dia estava cinzento, mas de vez em quando o azul do céu surgia, iluminando tudo.

26 de junho de 2017

THE DIAMOND


É um edifício ultra-moderno, todo em losangos, facetado como um diamante. Fica ao lado de um prédio bem mais vetusto, com o tijolo tão típico de Sheffield e de outras zonas centrais de Inglaterra. Foi junto a este que fiz um dos meus desenhos na semana passada:



É no Diamante que funciona a Faculdade de Engenharia, mesmo em frente ao Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais. Quatro dias na Universidade de Sheffield têm a vantagem de não nos desterrarem para longe da cidade, como já me aconteceu tantas vezes. Aqui os edifícios das várias faculdades espalham-se harmoniosamente pelas ruas do centro histórico. Estava um dia límpido e menos quente que os anteriores. A "heat wave" felizmente tinha passado. Que bela oportunidade para desenhar!


9 de junho de 2017

PASSARADA


Gosto de pássaros. Sou aquele tipo de pessoa que quando vai à feira pára nas tendas de periquitos, canários e quejandos com sorrisos de prazer. Sim, já sei, esses são pássaros enjaulados e isso é errado, condenável, blá-blá-blá. Ok, prendam-me também a mim como castigo, mas a verdade é que essa é a única maneira que tenho de os ver de perto. E acho-os adoráveis, com aquelas patinhas finas, o corpo vibrátil e os olhos muito vivos. Não sendo ornitóloga nem bird watcher, contento-me com isso e com ... desenhá-los! Deixo hoje aqui uma amostra ao acaso, de espécies não-relacionadas, unidas apenas na delicadeza do porte e na diversidade da cor:

Aquela bolinha amarela ali no meio é em honra dos meus dois canarinhos, que me acompanharam por longos anos em fases bem diferentes da minha vida. O nº 2, de nome Jacinto, andava solto dentro de casa, esvoaçando alegremente por aqui e por ali, mas não se afastando muito da gaiola. Nunca chegou a aprender as habilidades do Pimpim, o meu canário nº 1, que andava sobre o meu ombro e voava FORA de casa, voltando sozinho, todo contente, para a sua gaiola. 
     Acordo muitas vezes a ouvir o chilrear dos pássaros. Julgo que essa é até a definição habitual do despertar perfeito, não é? E sei, obviamente, que esse é o despertar perfeito para os pássaros – em liberdade. Mas, havendo tantos passarinhos à espera de ser adoptados e acarinhados, sem hipótese já de vida alternativa uma vez que foram criados em cativeiro, creio que vou reincidir. Não me batam, vá. 😇

31 de maio de 2017

SÓ PORQUE ABOMINO CAÇA...


... um nome novo para o blogue!

Sim, detesto caça e tudo o que se relacione com infligir a morte a animais livres e saudáveis por alegado "desporto". Repugna-me. Ultrapassa-me. Só de ver imagens de criaturas (humanas), aqui ou em África, exibindo troféus de caça, fico indisposta e contrita, como se estivesse a testemunhar um crime.

Por isso, é absurdo ter um blogue com um título correlato. Devia estar muito metafórica quando o escolhi. Vou, portanto, mudá-lo para um termo neutro, que não adianta nem atrasa, mas que pelo menos não me causa repulsa: "colecionadora". Voilà. O cabeçalho e a apresentação que a seguir evoco vão por isso ficar fechados no passado:


Mais vale tarde do que nunca...

27 de maio de 2017

JÁ SOU REINCIDENTE


Logo após a publicação do "Portugal por/by Urban Sketchers", eis que surge mais um atentado às nossas florestas. Desta feita, é o "Porto por/by Urban Sketchers", publicado pela Ponto M, numa requintada edição de capa dura e esmerado cuidado gráfico. (Tenho este 'post' atrasado, pois o lançamento já foi há mais de um mês, no dia 8 de Abril.) A capa, com um lindo elástico lateral preto "à la Moleskine", é assim:





Eu poluo o volume com quatro contributos de sotaque à Porto:



Nestas duas páginas aqui em cima, está à esquerda o meu desenho do Largo Mompilher (que publiquei aqui) e à direita um outro – um dos meus primeiros ensaios de urban sketching – do Largo do Terreiro, na Ribeira (aqui). A seguir, o livro abre-se na minha aguarela bem garrida da Serra do Pilar, de um lado (ver aqui), e na do Passeio de São Lázaro, do outro (aqui):



Apesar disto, garanto que o livro merece ser visto e folheado lentamente. É um belo tributo conjunto a uma bela cidade.

7 de maio de 2017

CORES E DOLORES


Com as cores de Cuba, o cigarro na mão, as argolas, as tatuagens, o olhar desafiador e toda a juventude do mundo. É a Dolores – outra modelo Sktchy. Agora estou nesta onda.


30 de abril de 2017

ABIGAIL


... ou verde sobre azul. Foi a minha primeira tentativa de retratar um dos modelos do Sktchy, 'site' que pretende "ligar as pessoas através da arte":


24 de abril de 2017

O BOLHÃO NUMA BOLHA DE TEMPO


Consta que o Mercado do Bolhão tem os dias contados no seu formato e aspecto actuais. Vai sofrer remodelações interiores profundas, ficando fechado por longos meses para obras. E os POSK, autêntico exército de registo patrimonial, meteram pés ao caminho antes que seja tarde! Foi no dia 8 de Abril. Eu, soldado-raso das canetas e pincéis, pus-me cá fora e registei a fachada da Rua Formosa, a qual talvez venha afinal a sofrer mudanças menos significativas:



O desenho no local, onde não o cheguei a pintar, ficou assim:



O meu poiso foi bem escolhido, no vão de uma montra de pijamas, defendida da multidão que calcorreava os passeios estreitos durante a manhã de sábado (obrigada ao Paulo Pebre pela interessante fotografia, que reflecte o motivo do meu desenho):


Mesmo assim, não me livrei do comentário de um miúdo de 5 anos, mimoso mas de língua afiada, que me informou, olhando com desdém para o meu esboço: "Tu não tens jeito nenhum para desenhar!" Ora bolas, lá se foram as minhas pretensões de ser a próxima Paula Rego!

Mais tarde, tirámos a fotografia de grupo, numa das escadarias interiores:



E, já cá fora, o grupo remanescente dirigiu-se, todo animado, ao lançamento do livro (sim, outro!) intitulado "Porto por / by Urban Sketchers". Foi um dia excelente, numa Primavera toda decidida.

18 de abril de 2017

PARAÍSO EM PENELA


Mais uma revelação: poucos quilómetros ao largo de Coimbra, já depois de Condeixa, e do bulício, e do trânsito caótico, subitamente... nem sombra de civilização, apenas árvores, árvores a perder de vista! É a serra de Sicó, de que eu na minha ignorância nunca ouvira falar. E, numa curva, a vila de Penela, com um castelo belíssimo e o casario branco a descer em cascata pela colina. O hotel onde ficámos, nesta brevíssima pausa pascal, encontra-se um pouco mais abaixo, junto a um curso de água, com mó, moinho e diques variados. Não resisti a um desenho durante uma caminhada matinal, que depois colori, metendo-me em senhoras alhadas no que toca aos dificílimos verdes:


Deixo aqui duas outras imagens, mais fiéis à beleza do original, naquela manhã de quinta-feira a saber a férias:



5 de abril de 2017

E AGORA NA TV...


Pois aqui a signatária virou estrela de televisão – em grupo, convenhamos, e com o tempo muito contadinho! A entrevista durou uns escassos 10 minutos, que na TV passam a voar, e pode ver-se AQUI (a partir do minuto 31):


Foi no programa "Olá Maria!", do Porto Canal, anteontem, dia 3 de Abril. Vieram também o Nuno Seabra Lopes, editor da ZestBooks e responsável pela publicação do Portugal por/by Urban Sketchers, e o Paulo J. Mendes, colega desenhador e aguarelista que muito admiro. A Maria Cerqueira Gomes, uma simpatia, lá nos foi fazendo perguntas enquanto folheava o livro (aqui o meu desenho do Hotel Palácio Estoril, em muito boa companhia): 


E nós fomos respondendo (e eu gesticulando), autênticos animais do showbiz que revelámos ser:


E pronto, agora... é a Broadway e Hollywood! 😊