16 de abril de 2015

ÁGUAS DE ABRIL


Tom Jobim falava das "águas de Março", mas o Desafio nº 53 dos USkP era sobre as chuvas de Abril. Receei inicialmente que o tempo soalheiro e primaveril de princípios do mês não me fornecesse material adequado... Mas bastou esperar uns dias e lá vieram umas boas chuvadas, a refrescar as temperaturas já cálidas. Este esboço foi feito nos Aliados, no Porto, a partir do que foi outrora o belíssimo Café Imperial (e hoje, tristemente, mais um McDonald's). Ao fundo, vê-se o edifício "A Nacional":


As árvores já estão verdejantes neste Abril generoso, com folhas tenras por vezes plenamente desabrochadas. E a "menina nua" (estátua de Henrique Moreira, 1929), lá continua, sentada no seu pedestal, olhando absorta quem passa:


Um turista estacionou, de guia na mão, com mochila e calções a preceito. E uma senhora de botas passou apressada... 


No passeio molhado, finalmente, muitos reflexos:


São chuvas rápidas, estas, entremeadas de primavera... Dão-nos vontade de mudar a letra de Jobim:

        São as águas de Abril abrindo o Verão
        É a promessa de vida no teu coração

2 comentários:

  1. Simplesmente...maravilhoso!
    O reflexo da chuva no chão ficou tão real! Beijinhos nossos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Manelinha! Gosto que gostes! :)
      Beijinhos

      Eliminar